16 janeiro 2007

CIRCENSE

foto: Luis Ventura

a terra espicha pernas
o rio coça o umbigo
as espinhas
murmuram as espinhas
do rosto da negra parteira
é guri
e vai ser manhoso
(no princípio de mim, enfim)
era eu a sede da terra
que era mulher
era eu a fome do rio
que era homem
fui parido no ato circense
fui nascido palhaço
sou homem
não sou poeta
sou a grande lorota
e isso é poema
por debaixo do pano

12 janeiro 2007

LATITUDE URGENTE


É preciso mexer no mecanismo dos ventos,
incendiar o medo,
colocar um rock-frevo no toca-discos.
Compor atmosfera nova,
sabotar o tempo,
parir temperatura leve, aquecida.
Diminuir a pressão em todas as altitudes,
diminuir a pressão de todas as atitudes.
Mas, sobretudo é preciso
soltar a fera de um novo amor.


ps.
Rosella, de Toscana, Itália, com seu blog: http://bottega27.splinder.com/ vem lendo e traduzindo poesia brasileira com carinho e dedicação.
Confira lá como ficou o LATITUDINE URGENTE. Em giovedi, gennaio, 18, 2007.

09 janeiro 2007

GALOPE


O poema sai da palavra
O aluno é maior que o professor
O espinho é o anjo da rosa
A montanha nasce da pedra
O frio é irmão do calor
O sol é a morada da luz
O oceano principia na gota
A senhora vive com o senhor
O homem é maior que a cidade
E a floresta começa na flor

O rio namora a lagoa
O universo não tem cor
A natureza é o riso do tempo
A alegria é irmã da tristeza
A beleza é a mão do criador
O velho é o dono da história
O índio é o dono da aldeia
A felicidade é filha do amor
A criança é o dono do mundo

E a floresta começa na flor

OBELISCO



quem planta vira colhedor
cotia ficou sem rabo de tanto fazer favor
bom cabrito não é berrador
a dor ensina ao gemedor
carro-de-boi pesado é rangedor
nada duvida quem de nada é sabedor
quem afia a faca sabe o servidor
olho-grande sai com rezador
a vida segue traçado superior
e a floresta começa na flor


04 janeiro 2007

CLASSIFICADOS


· Pousam-se aviões
· Desfazem-se maldições
· Aliviam-se contusões
· Domam-se leões
· Clareiam-se ilusões
· Desenleiam-se confusões
· Arrumam-se embarcações
· Dançam-se arrastões
· Não se sabe lidar com paixões


foto: Luis Ventura

ESTRADEIRO

(musicado por Karine Cunha)

toco sanfona em Barcelona
toco berimbau em Macau
toco bandolim em Pequim
toco balalaica na Jamaica
toco violão no Afeganistão
e como bom estradeiro
levo meu pandeiro
para tocar no mundo inteiro

danço ciranda em Luanda
danço maracatu em Paris
danço frevo em Lisboa
e samba em New Orleans
em Porto Alegre ou Cusco
em Havana ou Katmandu
canto reggae faço rock toco blue

com teu riso ao meu lado
em qualquer cidade ou país
meu coração dia e noite
na mais doce melodia
a alegria dos teus lábios
beijando a minha poesia


03 janeiro 2007

PEQUENA PÁGINA


PEQUENA PÁGINA


a poesia senta
levanta

avança
na página branca

o poema rebola
tranças

e dança
na página branca

a palavra criança
amansa

descansa
na página branca
- pirata

02 janeiro 2007

ANO NOVO


Renova-se o dia. No coração, o sorriso.
O sentimento, manso como cavalo de cego.
A esperança, mais forte que arroto de corvo e sapato de padre.
O olhar, tranqüilo que nem água de poço,
calmo que nem vida de bagual.
A vida, mais gostosa que água de cacimba,
mais doce que beijo de prima.
Tempo novo, mais alegre que égua com dois potrilhos.
Mais faceiro que passarinho bicando bosta
e guri de bombacha nova.
Até a lua se faz de novilha
pra comer milho quebrado.
Despede-se o velho, mais enfeitado
que penteadeira de china
e cemitério em dia de finados.
Espinho que pinica de pequeno já traz a ponta.
Ovelha não é pra mato, o mar não está pra peixe,
onde tem corvo, tem carniça.
Cada um dá o que tem e recebe o que merece.
Seguir a estrada, descansando na sombra, escutando
as canções da mãe natureza nos tambores do vento.
Mais alerta que quero-quero em coxilha,
mais à vontade que bugio em mato de boa fruta.
O mundo arreganhado como ganso novo
em taipa de açude, verde como cuspida de mate.
Na gaiola, o pássaro não aprende a voar.
Na escola, a criança quer sonhar.
Bate na porta, o eterno, trazendo pela mão
a menina de olhos lambuzados
e cabelos encaracolados chamada Felicidade.

- mariopirata