20 dezembro 2006

SERVENTIA ou PARA ONDE VOAM OS DINOSSAUROS


arte: GEOFF HOCKING



não defende teses não alimenta preces
não roga pragas não combate males
não precisa nada o poema
pode surgir do encantamento
falar de um acontecimento

não embala esperanças
não engorda larvas
não castra crianças não atravessa vales
não precisa ser difícil ou simples
pode ser cantarolado
ou rabiscado do princípio ao fim

não precisa ser grande
não precisa ser pequeno

montanha gigantesca ou grão de areia
na medida de quem o faça
de quem o leia
          
II
pode o sabor de um copo d’água
calar a sede com a gota cristalina
que nos atira indefesos na vertente
no riacho na lagoa no mar

quer a inocência do carinho
a insignificância de um beijo
a irrelevância do voo da fada
do pássaro dentro do ninho

existe porque não acontece
deixar de ser feito: 
flor no jardim
amor dentro do peito

o poema não serve para nada
que não sirva para ser um poema

3 comentários:

Fê Feliz disse...

venha visitar meu blog também

http://fehollas.blogspot.com.br

amei seu flog
um beijo

Fernanda Farias Hollas

Anônimo disse...

leve como lençóis vestindo varais
ver o ar num feixe solar
escorrega o tato n'água
cheirando alma com versos de terra

por causa da foto,

a captura da criança abandonada

Carolina Pastoriz

Anônimo disse...

Mario Pirata
Tu és poeta até debaixo d'água.Adorei teu blog.
Rosa