27 dezembro 2006

DO GURI QUE DESEJAVA SER ESCUDEIRO

foto: Luis Ventura


Essa tua vida larga, cavaleiro,
eu não alcanço, não reclamo.
Nela acompanho o traçado
delineando coragem e canto.

Vou me arranjando, Quixote,
arrancando as ervas rasteiras.

Na caminhada, aos trancos,
levo o olhar pela estrada
e ligeiro como cavalo sem doma
acrescento ternura aos avanços.

Vou me arranjando, Quixote,
arrancando as ervas rasteiras.

É lenta a paisagem dos anos
para quem traz o coração manso
e trezentas luas faceiras
acarinhadas no peito, por encanto.

em "Calcinha rosa na cadeira de balanço"

Nenhum comentário: